Neurociência do Medo

 

Você agenda uma reunião para uma possibilidade de emprego e, na hora da entrevista, sente que fala muito ou pouco meio sem controle.

A aeronave é grande e de interior aconchegante, mas na hora da decolagem seu coração acelera e você sente um formigamento em alguns dos seus membros.

Depois de várias mudanças no seu departamento, no dia da primeira reunião com o pessoal novo, você acorda meio enjoado, com a cabeça enevoada e acha melhor não ir ao trabalho.

Seu namorado tratou você de forma indevida algumas vezes e, na hora de conversar sobre a ida ao jantar na casa dos pais dele, você está quieta e com dúvida sobre como explicar que não quer ir.

Nos encontros de fim de semana nos bares da moda, com mulheres interessantes presentes no seu grupo, sua mão treme um pouco sempre que você toma o primeiro drink.

Se pelo menos uma destas situações lhe é familiar ou lembra alguma outra que envolve algum tipo de desconforto leve ou intenso, você tem medo.

De um lugar, de uma coisa, de uma situação ou de uma pessoa.

O medo pode ser resultado de um trauma em um momento específico do passado, ou você pode se lembrar de inúmeras situações do passado em que um fato levemente desagradável ocorreu várias vezes.

De qualquer forma que ele tenha sido construído ou apareça, torna sua vida limitada de forma leve ou severa,

O conhecimento das estruturas do medo e do trauma, bem como as técnicas que são dadas hoje pelas neurociências, permitem que eles sejam descobertos e entendidos nas mais variadas formas: pânico, depressão, doenças da pele, doenças do trato gastro-intestinal, alergias, etc.

Com métodos adequados de exploração e intervenção, as neurociências são o caminho próprio para lidar com a personalidade com medo ou traumatizada, restaurando, reorganizando e direcionando corpo e mente para uma vida com mais realização mais segurança e mais liberdade.

Usando os conhecimentos das neurociências, uma viagem pelo cérebro e seu núcleo de sobrevivência: o sistema límbico. A proposta está centrada na ideia de que o medo é a emoção primária, subjacente a todas as outras com característica de desconforto, que regula a interação do indivíduo com o ambiente e com outros indivíduos.

Alguns tópicos a serem abordados:

  • Representação da realidade.
  • Medo como fator de sobrevivência da espécie.
  • Medo e formação da identidade.
  • Alterações de personalidade com manifestações específicas: em     relacionamentos, ambiente corporativo e processos de aprendizagem.
  • Medo, trauma, estresse e alterações no funcionamento do corpo e suas funções.

A forma de apresentação é a de palestra com duas horas de duração ou a de workshop com oito horas efetivas de duração. O formato workshop contém dinâmicas individuais e de grupo.